INFANTARIA

Militares da FAB são treinados em Curso de Autodefesa de Superfície

Objetivo do exercício é capacitar Oficiais e Graduados da área de Segurança e Defesa para detectar, identificar e neutralizar ou impedir ataques de forças inimigas em situação de crise ou conflito armado
Publicado: 08/10/2020 16:00
Imprimir
Fonte: Ala 10, por Tenente Juliana Lopes
Edição: Agência Força Aérea - Revisão: Major Monteiro

A cerimônia de abertura da primeira edição do Curso de Autodefesa de Superfície (CADS) foi realizada no dia 30 de setembro, no auditório do Grupo de Instrução Tática e Especializada (GITE) da Ala 10, em Parnamirim (RN). O evento foi presidido pelo Chefe da Subchefia de Segurança e Defesa do Comando de Preparo (COMPREP), Brigadeiro de Infantaria Marcelo Rosa Costa que, em seguida, ministrou a aula inaugural para os 22 alunos matriculados.

O Curso, sob coordenação técnica do COMPREP e coordenação pedagógica do GITE, tem a duração de 30 dias e tem por objetivo capacitar Oficiais e Graduados da área de Segurança e Defesa para detectar, identificar e neutralizar ou impedir ataques realizados por forças inimigas contra áreas e pontos sensíveis de interesse da Força Aérea, em situação de crise ou conflito armado.

A seleção dos candidatos ocorreu nos dias 28 e 29 de setembro com a realização de Teste de Condicionamento Físico específico. Durante o curso, os alunos receberão o conhecimento teórico e serão submetidos a exercícios simulados de combate voltados para a operação de defesa de um aeródromo, nas áreas patrimoniais da Ala 10, do Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI) e do estande de Maxaranguape.

De acordo com o Chefe da Subchefia de Segurança e Defesa do COMPREP, a realização do CADS marca uma nova etapa na evolução e modernização da Infantaria da Aeronáutica. “A área de responsabilidade da Autodefesa de Superfície é bem ampla e complexa, abrangendo todo o terreno a partir de onde armamentos como foguetes, morteiros e manpads (do inglês man-portable air-defense system, ou sistema portátil de defesa aérea), por exemplo, possam ser lançados contra nossas instalações e aeronaves, estejam elas no solo ou em procedimento de pouso e decolagem. Nesse contexto, pequenas frações de Forças de Operações Especiais inimigas são a principal ameaça. Para fazer frente a esse segmento, torna-se necessária uma tropa adequadamente treinada e equipada. O CADS, portanto, é um marco na capacitação da tropa para atuar contra esse amplo espectro de ameaças, que, certamente, irá exigir novos equipamentos, armamentos e veículos. É um momento histórico para a Infantaria da Aeronáutica”, completa o Brigadeiro Marcelo.

O corpo docente conta com militares de diversas Unidades da FAB, especializados nas áreas de Segurança e Defesa, Operações Especiais, Defesa Antiárea, Busca e Salvamento e Atendimento Pré-Hospitalar Tático. Segundo o Coordenador do CADS, Tenente-Coronel de Infantaria Anderson de Oliveira Schiavo, o operador de ADS deve estar preparado cognitiva, psicológica e fisicamente para cumprir sua missão contra as ameaças de superfície, e isso será reiteradamente trabalhado durante o curso.

Fotos: Cabo Simplício e Soldado Daniel Silva / Ala 10