NOTIMP - NOTICIÁRIO DA IMPRENSA

Capa Notimp Acompanhe aqui o Noticiário relativo ao Comando da Aeronáutica veiculado nos principais órgãos de comunicação do Brasil e até do mundo. O NOTIMP apresenta matérias de interesse do Comando da Aeronáutica, extraídas diretamente dos principais jornais e revistas publicados no país.


AGÊNCIA REUTERS


Militares distribuem máscaras para índios isolados da Amazônia


Leonardo Benassatto | Publicada em 02/07/2020 12:02 | Atualizado em 02/07/2020 14:20

BOA VISTA (Reuters) - Soldados distribuíram máscaras a índios ianomâmis descalços, entre eles guerreiros com pinturas, lanças, arcos e flechas, na quarta-feira, o segundo dia de uma operação das Forças Armadas para proteger povos isolados da Covid-19.

Os ianomâmis são o último grande povo isolado da Amazônia, onde dezenas de comunidades indígenas foram infectadas pela doença mais recente a chegar do mundo exterior para ameaçar sua existência.

“Está tudo sob controle. Nós não tivemos nenhuma detecção de casos aqui”, disse o ministro da Defesa, Fernando Azevedo, um general aposentado do Exército, aos repórteres no posto de Surucucu, na fronteira com a Venezuela.

Azevedo disse que a morte de dois ianomâmis supostamente baleados por garimpeiros de ouro na vasta reserva foi um caso isolado que está sendo investigado pela Polícia Federal.

Uma corrida ao ouro que levou cerca de 20 mil garimpeiros a invadirem a maior reserva do Brasil contaminou rios e destruiu florestas, e os ianomâmis disseram que os garimpeiros também trouxeram o novo coronavírus.

Líderes indígenas apelaram ao Suprema Tribunal Federal (STF) na quarta-feira para que a corte ordene que o governo federal proteja povos isolados barrando forasteiros nas terras das reservas e expulsando caçadores ilegais, madeireiros e garimpeiros que supostamente trazem doenças fatais.

A Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) pediu que os invasores sejam retirados —com o envio de forças militares, se necessário— das reservas dos povos ianomâmis, karipuna, uru-eu-uau-uau, caiapó, arariboia e mundurucu.

A Apib disse que 405 indígenas morreram de Covid-19 até o dia 27 de junho, e que 112 povos diferentes têm 9.983 infectados.

Em Surucucu, famílias ianomâmis ficaram assustadas inicialmente com a chegada de pessoal médico, suprimentos de equipamentos de proteção e remédios em helicópteros militares barulhentos.

Os homens se atrapalharam com as máscaras ao cobrir os rostos pintados com tinta vermelha extraída de cascas de árvores.

“A Saúde Indígena faz bem para a gente, ajuda a gente. Viemos aqui para pedir ajuda, para ver se estamos bem. Caminhamos quatro horas para chegar aqui”, disse um ancião ianomâmi através de uma grande máscara branca por meio de um intérprete.

Enfermeiras mediram temperaturas e fizeram exames rápidos de Covid-19.

“Quando a gente chega, eles ficam meio receosos, nos observam de longe e aí vamos ganhando a confiança e com isso todos vão se aproximando e acaba tudo ocorrendo bem”, disse Fernanda Ribeiro, tenente e médica da Força Aérea Brasileira. “Eles acabam gostando. Tem sido muito gratificante!”

JORNAL A CRÍTICA (AM)


Coari recebe máquinas, equipamentos e insumos para obras do Aeroporto Regional

Melhorias feitas pela Força Aérea vão possibilitar adequar o aeroporto municipal Danilson Cirino Aires da Silva à operação de jatos

Publicada em 02/07/2020 20:10

Uma balsa com máquinas, equipamentos e insumos  atracou na quarta-feira (1º), no município de Coari. O material tem como destino a primeira etapa das obras de recuperação e ampliação das instalações e infraestrutura aeroportuária do município. As melhorias, que serão feitas pela Comissão de Aeroportos da Região Amazônica (Comara), da Força Aérea Brasileira, vão possibilitar adequar o Aeroporto Municipal Danilson Cirino Aires da Silva à operação de jatos. 

De acordo com o prefeito de Coari, Adail Filho, a obra é um divisor de águas para o município e vai gerar emprego e renda, além de fomentar a economia local. Na ocasião, o chefe do Executivo municipal agradeceu o apoio do governo federal à obra "que certamente será um grande avanço para o município de Coari”.

Adail Filho recorda que, desde 2017, com apoio do deputado federal Átila Lins e de Alfredo Nascimento, participou de várias audiências na Secretaria de Aviação Civil para tratar dessa importantíssima obra.

“Esse resultado é fruto de muito trabalho, dedicação e empenho. A nossa perseverança fez com que hoje a gente possa dar o pontapé inicial de um sonho para Coari. Essa obra representa geração de emprego, fomento da economia e o fortalecimento do nosso município tornando-o num grande polo de desenvolvimento do Estado”, afirmou.

A reconstrução do terminal de Coari será realizada com recursos da Secretaria Nacional de Aviação Civil do Ministério da Infraestrutura (MInfra). Ao todo, serão investidos mais de R$ 60 milhões Fundo Nacional de Aviação Civil (Fnac).

O tenente da Comara, Aricles Matos Batista Filho, gerente da obra no Aeroporto de Coari, disse que com a equipe alojada no município e a chegada das máquinas, equipamentos e insumos darão início as atividades de instalação de canteiro de obra, supressão vegetal e construção da cerca operacional.

“Agradeço todo apoio da população, que nos recebeu muito bem e agora vamos começar os serviços. Viemos para dar essa estrutura aeroportuária para o município e é o que faremos”, salientou. 

Projeto

Conforme a Secretaria Nacional de Aviação Civil, o projeto de Coari prevê a reconstrução da pista de pouso e decolagem com dimensões finais de 1.600 m x 45 m (considerando acostamentos de 7,5 m para cada lado), taxiway com 156 m x 16 m e pátio de aeronaves com 115 m x 77 m.

Também haverá implantação de áreas de segurança nas cabeceiras da pista e regularização das faixas de pista e drenagem do sítio, inclusas obras complementares como auxílios à navegação e cerca operacional. 

Destaca-se, ainda, a adoção de pavimento rígido (concreto), em substituição à pavimentação flexível (asfalto), solução mais duradoura e que demanda menos manutenção numa região com dificuldades logísticas para execução constante de obras.

Além disso, será construído novo terminal de passageiros com cerca de 870 m², ao lado do atual terminal, que tem 360 m². 

As obras em Coari têm previsão de conclusão em 2023, considerando as etapas de infraestrutura e edificações. O cronograma leva em conta as dificuldades logísticas da região amazônica e a complexidade da obra, que exige demolição e reconstrução de toda a estrutura dos pavimentos existentes.

Com os investimentos em andamento será possível ampliar de forma significativa a operação do Aeroporto de Coari, que poderá receber jatos comerciais de médio porte, como o Embraer 190 E2 e o A319, além de turbo-hélices como o ATR42 e ATR72, comuns na região.

PORTAL AEROFLAP


Comandante da Aeronáutica recebe visita do Comandante da Marinha do Brasil


André Magalhães | Publicada em 02/07/2020

O Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Antonio Carlos Moretti Bermudez recebeu, nesta quarta-feira (1º), a visita do Comandante da Marinha do Brasil, Almirante de Esquadra Ilques Barbosa Junior, para uma apresentação sobre a Conjuntura Geopolítica no contexto da Amazônia Azul. O encontro, que aconteceu em Brasília (DF), também tratou de temas correlatos às duas Instituições.

De acordo com o Tenente-Brigadeiro Bermudez, foi uma grande satisfação receber a visita do Comandante da Marinha do Brasil. “Assistimos a uma apresentação que nos permitiu ampliar os conhecimentos acerca de ações e projetos estratégicos de nossa Força irmã”, afirmou.

Estavam presentes, ainda, o Chefe do Estado-Maior da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Carlos Augusto Amaral Oliveira; o Chefe do Estado-Maior da Armada, Almirante de Esquadra Cláudio Portugal de Viveiros; o Comandante de Operações Aeroespaciais, Tenente-Brigadeiro do Ar Jeferson Domingues de Freitas; o Chefe de Gabinete do Comandante da Marinha, Vice-Almirante Eduardo Machado Vazquez; o Chefe do Gabinete do Comandante da Aeronáutica, Major-Brigadeiro do Ar Pedro Luís Farcic;  o Diretor do Centro de Inteligência da Marinha, Contra-Almirante Antonio Carlos Cambra; e o Secretário Militar, Capitão de Fragata Ondiara Barbosa.

FAB transporta profissionais de saúde para comunidades indígenas


Publicada em 02/07/2020 23:34

A Força Aérea Brasileira (FAB) mantém o apoio no Transporte Aéreo Logístico de materiais e de profissionais de saúde para comunidades indígenas do estado de Roraima.

Uma aeronave C-105 Amazonas pertencente ao Primeiro Esquadrão do Nono Grupo de Aviação (1º/9º GAV) – Esquadrão Arara, iniciou o transporte de materiais de saúde na segunda-feira, 29 de junho, de Manaus (AM) para Boa Vista (RR), levando Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e medicamentos que foram usados nos atendimentos das comunidades indígenas.

Na terça-feira, 30 de junho, o FAB 2809 decolou de Boa Vista para a comunidade de Auaris, no município de Amajari, localizada no extremo norte do Brasil, próximo à fronteira com a Venezuela.

Na quarta-feira, (1°/07), o destino da aeronave foi a aldeia de Surucucu, no município de Alto Alegre. Profissionais de imprensa, nacional e estrangeira, também acompanharam esta ação interministerial de apoio aos indígenas.

A missão faz parte da Operação COVID-19, deflagrada pelo Ministério da Defesa em coordenação com o Ministério da Saúde.

A Tenente Médica Fernanda Ribeiro, do efetivo do Hospital de Força Aérea de São Paulo (HFASP), é uma das profissionais de saúde que realizou atendimento aos indígenas.

“É muito importante ajudar quem necessita e principalmente aqueles que não têm acesso aos atendimentos especializados. A troca de experiências entre os profissionais de saúde das Forças Armadas está sendo um grande aprendizado”, relatou.

PORTAL DEFESANET


HCA participa de missão contra COVID-19 com atendimento à população indígena no Amazonas


Publicada em 02/07/2020 11:30

Profissionais de saúde das Forças Armadas, incluindo um Médico e um Técnico de Enfermagem do Hospital Central da Aeronáutica (HCA), situado no Rio de Janeiro (RJ), participaram de missão para atendimento à população indígena no estado do Amazonas. A missão, coordenada pelos Ministérios da Saúde e da Defesa, foi realizada na região do Vale do Javari, a segunda maior área indígena do Brasil, com uma população de mais de sete mil indígenas. A ação ocorreu de 16 a 22 de de junho.

Ao todo, foram feitos 940 atendimentos médicos e, ainda, realizados 200 testes rápidos para a COVID-19. A ação contou com o apoio de equipes do Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI) Vale do Javari e Alto Rio Solimões, e da Secretaria Municipal de Saúde de Atalaia do Norte.

Os profissionais deslocaram-se para o Pelotão Especial de Fronteira de Palmeiras do Javari, na aldeia Cruzeirinho, e para a cidade de Atalaia do Norte.

Além da assistência à saúde, cerca de 70 mil itens de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e insumos diversos foram distribuídos na região, objetivando o enfrentamento à COVID-19 nas aldeias do Vale do Javari. Os profissionais de saúde realizaram atendimento em diversas especialidades médicas.

“Essa foi, sem sombra de dúvida, uma das maiores experiências que tive em 22 anos de carreira na Força Aérea Brasileira. No último dia de missão foi realizada uma Evacuação Aeromédica. A paciente apresentava gravidez tubária, correndo risco de morte. Graças à atividade em andamento, foi utilizado um helicóptero e a paciente chegou ao local apropriado em apenas dez minutos, e mais uma vida foi salva”, contou o Médico especialista em Cirurgia-Geral, Tenente-Coronel Dalton Muniz Santos.

Aeronaves da FAB transportam mais de 20 toneladas de insumos para a região norte

Os insumos hospitalares tinham como destino o estado de Roraima e serão utilizados no combate ao novo Coronavírus

Publicada em 02/07/2020 11:11

A Força Aérea Brasileira (FAB) realizou nesta segunda-feira (29), mais uma missão de Transporte Aéreo Logístico em apoio à Operação COVID-19. Uma aeronave C-130 Hércules, pertencente ao Primeiro Esquadrão do Primeiro Grupo de Transporte (1°/1° GT) – Esquadrão Gordo, transportou 11 toneladas de materiais de saúde, de Guarulhos (SP) para Boa Vista (RR).

O FAB 2476 decolou da Base Aérea de São Paulo (BASP) às 13h00 e pousou na Ala 7 - Base Aérea de Boa Vista às 20h00 (horário de Brasília), onde fez o descarregamento dos itens hospitalares. A carga transportada, contendo ataduras, esparadrapos, cateteres, sondas de aspiração traqueal e glicose serão usadas no enfrentamento ao novo Coronavírus.

O Comandante da aeronave, Capitão Aviador Warlley dos Santos Rodrigues, ressaltou o empenho da equipe. “Poder contribuir nesse momento tão difícil para o nosso país é, sem dúvidas, uma das missões mais nobres da minha carreira”, destacou.

O mecânico do C-130, Sargento Wellington Martins da Conceição, enfatizou o sentimento de dever cumprido. “Mais uma missão que me deixa realizado como militar da FAB. Poder levar ajuda àqueles que estão longe e contribuir para que possamos combater essa pandemia é muito gratificante”, relatou.

Apoio contínuo da FAB

Com destino a Boa Vista (RR), uma outra aeronave C-130 Hércules, também pertencente ao 1°/1° GT, partiu de Guarulhos (SP) com 11 toneladas de materiais de saúde, na última quinta-feira (25/06).

O FAB 2475 decolou da Base Aérea de São Paulo levando para a Ala 7 – Base Aérea de Boa Vista os itens hospitalares. A carga transportada, contendo medicamentos e outros materiais de saúde, foi entregue ao Hospital de Campanha do estado de Roraima, com o objetivo de auxiliar no enfrentamento ao novo Coronavírus.

O Comandante da aeronave, Major Aviador Rosemberg Gomes da Silva, disse que é uma grande satisfação participar dessa missão. “É também um orgulho poder ajudar o povo brasileiro nesse momento difícil de enfrentamento da pandemia”, declarou.

O Sargento Lucas Feitosa Vicentino, que exerce a função de Loadmaster (mestre de cargas) na aeronave, ressaltou que é uma honra para o Esquadrão Gordo fazer parte desse missão. “Para nós não importa o dia ou o horário; o importante é realizar o transporte para que outras pessoas possam receber os materiais de saúde”, frisou.

As missões foram coordenadas pelo Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE) junto ao Centro de Operações Conjuntas (COC) do Ministério da Defesa, em apoio ao Ministério da Saúde.

Operação COVID-19

O Ministério da Defesa ativou, em 20 de março, o Centro de Operações Conjuntas para atuar na coordenação e no planejamento do emprego das Forças Armadas (Marinha do Brasil, Exército Brasileiro e Força Aérea Brasileira) no combate à COVID-19.

Nesse contexto, foram ativados dez Comandos Conjuntos que cobrem todo o território nacional, além do Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE), de funcionamento permanente. A iniciativa integra o esforço do Governo Federal no enfrentamento à pandemia e recebeu o nome de Operação COVID-19.

KC-390 da FAB transporta profissionais de saúde para Roraima

Missão ocorreu nesta segunda-feira (29). Os profissionais de saúde prestarão atendimento às comunidades indígenas de Roraima

Publicada em 02/07/2020 11:00

Uma aeronave KC-390 Millennium da Força Aérea Brasileira (FAB) transportou, nesta segunda-feira (29/06), profissionais de saúde das Forças Armadas (Marinha, Exército e Aeronáutica), além de especialistas do Ministério da Saúde que prestarão atendimento às comunidades indígenas no estado de Roraima. Dezoito profissionais da imprensa, nacional e internacional, também acompanham esta ação interministerial de apoio aos indígenas.

A missão faz parte da Operação COVID-19 deflagrada pelo Ministério da Defesa em coordenação com o Ministério da Saúde.

Antes da decolagem, os militares e jornalistas receberam orientações sobre o emprego das Forças Armadas no combate à COVID-19. 

O FAB 2853 decolou da Ala 1 – Base Aérea de Brasília (DF) às 12h05 e pousou na Ala 7 - Base Aérea de Boa Vista (RR) às 17h30 (horário de Brasília). Na capital roraimense, os profissionais de saúde embarcarão em uma aeronave C-105 Amazonas, pertencente ao Primeiro Esquadrão do Nono Grupo de Aviação (1º/9º GAV) - Esquadrão Arara, que os levará às comunidades de Surucucu, Auaris, Waikas, Maturacá, Flexal e Tiçoca, de etnias Yanomami, Ye-Kuana e Turepang, localizadas no extremo norte do Brasil, próximas à fronteira com a Venezuela.

A Tenente Médica Camila Ribeiro Perucchi, do Hospital de Força Aérea de São Paulo (HFASP), é uma das profissionais de saúde da FAB que participa da missão. "A nossa atuação é muito importante, tanto para a carreira profissional, quanto para a vida pessoal. Levar atendimento para aqueles que não têm acesso à saúde, cuidar e dar atenção, também fazem parte do nosso trabalho", disse. 

Um dos pilotos da aeronave, Major Aviador Daniel Silva Fortes, relatou a importância da aeronave para essa missão. “A capacidade, segurança e modernidade que o KC-390 possui são fundamentais para que as missões sejam realizadas com êxito, levando apoio a quem precisa, principalmente nesse momento de pandemia”, relatou.

KC-390 Millennium

Em 2019, a Força Aérea recebeu as duas primeiras aeronaves KC-390. No último sábado (27/06), o terceiro KC-390 foi entregue à Instituição. O projeto conjunto da FAB com a Embraer foi desenvolvido para atender aos requisitos operacionais estabelecidos, provendo mobilidade estratégica às Forças de Defesa do Brasil.

O KC-390 Millennium tem capacidade de realizar missões de Transporte Aéreo Logístico, Reabastecimento em Voo (REVO), Evacuação Aeromédica, Busca e Salvamento, ajuda humanitária e combate a incêndio, dentre outras.

Além da alta capacidade de carga e amplo espaço disponível no compartimento de carga, um dos destaques do KC-390 Millennium é a velocidade da aeronave, capaz de realizar, por exemplo, um deslocamento de 2.690 quilômetros, de São Paulo a Manaus, em menos de quatro horas. Equipado com dois motores turbofan International Aero Engines V2500, aviônicos de última geração, uma rampa traseira e um avançado sistema de movimentação de carga, o KC-390 Millennium pode transportar até 26 toneladas a uma velocidade máxima de 470 nós (870 km/h), com capacidade de operar em ambientes austeros, incluindo pistas não pavimentadas ou danificadas. A aeronave pode transportar tropas (80 soldados ou 66 paraquedistas), paletes, veículos blindados e helicópteros.

Operação COVID-19

Proteger os cidadãos é uma das funções precípuas das Forças Armadas. Nesse intuito, o Ministério da Defesa, a Marinha do Brasil, o Exército Brasileiro e a Força Aérea Brasileira enfrentam, juntos, a pandemia de COVID-19 no país. A Operação ocorre em um espaço territorial de grandes proporções, nas 27 Unidades Federativas, com características e necessidades diferentes e com uma população de cerca de 210 milhões de pessoas.

As ações envolvem descontaminação de espaços públicos, doações de sangue, transporte de medicamentos e equipamentos de saúde, distribuição de kits de alimentos para pessoas de baixa renda, doação de refeições para caminhoneiros, dentre outras.

Na execução dessas atividades, os militares atuam organizados em dez Comandos Conjuntos que cobrem todo o território nacional, bem como no Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE). Esses Comandos reúnem militares das três Forças (Marinha, Exército e Aeronáutica), que desenvolvem esforços no cumprimento das missões.

OUTRAS MÍDIAS


SAAB DO BRASIL - Colaboração Real 3 - Episódio 4: O Reabastecimento em Voo


Publicada em 02/07/2020

Com mais de 8 bilhões de km² de território nacional, o reabastecimento em voo é obrigatório para um caça brasileiro. O Gripen, por meio das missões de reabastecimento em voo, terá a capacidade de alcançar qualquer ponto do território, além de cumprir com outros requisitos primordiais.

Confira o 4ª episódio da terceira temporada de Colaboração Real.