NOTIMP - NOTICIÁRIO DA IMPRENSA

Capa Notimp Acompanhe aqui o Noticiário relativo ao Comando da Aeronáutica veiculado nos principais órgãos de comunicação do Brasil e até do mundo. O NOTIMP apresenta matérias de interesse do Comando da Aeronáutica, extraídas diretamente dos principais jornais e revistas publicados no país.


TV GLOBO - JORNAL NACIONAL


Fornecimento de energia começa a ser retomado em algumas regiões do Amapá

Já são cinco dias de apagão no estado. A situação não está completamente resolvida e a restauração em 100% da energia só deve ser concluída em 10 dias. Enquanto isso, a população vai ter que enfrentar um novo problema: o racionamento.

Da Redação | Publicada em 07/11/2020 21:52

No quinto dia de apagão no Amapá, o fornecimento de energia começou a ser retomado em algumas regiões.

O conserto de um dos três transformadores danificados foi concluído na madrugada deste sábado (7). Às 5h, a energia começou a voltar em alguns locais. Foi possível restabelecer até 70% da energia para as 13 cidades afetadas pelo apagão.

As pessoas correram para colocar as tarefas em dia. “Graças a Deus. É motivo de alegria. Porque foi um tormento,foi um sofrimento passar esses dias aí sem energia elétrica”, comemorou o guarda municipal Valderino Santos.

Lentamente, o comércio também reabriu as portas. “Com essa falta de energia, a gente ficou sem trabalhar. Hoje que a gente voltou às atividades”, conta a comerciante Denise Guedes.

Na noite desta sexta (6), todo mundo ainda tentava fugir do calor. Uma família armou redes no quintal e barraca no pátio da casa. “Todas as famílias aqui da rua estão fazendo da mesma forma. Na verdade, cada um vigIando o outro e tentando buscar aqui pelo menos um pouco de respiro para poder passar a noite com mais tranquilidade”, disse o radialista Lima Júnior.

Para acompanhar as informações sobre o apagão, foi preciso improvisar. A bateria do carro serviu para manter o celular ligado. “A gente está se improvisando, em todos os sentidos. A água, por exemplo, quem tem poço - a vizinha é até bastante solidária, porque compartilha. A gente está praticamente no tempo das cavernas agora”, reclama a professora Thelma Rayol.

O apagão também deu trabalho para a Polícia Militar, que teve que conter protestos. “Durante toda noite de ontem, nós tivemos 18 ocorrências de manifestações e, com todas elas, houve incêndios de pneus e até mesmo carcaça de veículo no meio da rua”, revela o comandante da PM, o coronel Paulo Matias.

Aviões da FAB vão trazer do Amazonas seis geradores de energia até este domingo (8), e mais 20 na próxima semana. Eles vão ser usados para atender serviços essenciais como hospitais e centros de distribuição de água.

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, visitou neste sábado (7) à tarde a subestação. Ele estava acompanhado do presidente do Senado, Davi Alcolumbre, do DEM, que é do Amapá.

“Estamos também, iniciamos imediatamente os estudos de planejamento energético, considerando o estado do Amapá para que situações como essas nunca mais venham a ocorrer”, disse o ministro.

A situação não está completamente resolvida. A restauração em 100% da energia só deve ser concluída em 10 dias. Enquanto isso, a população vai ter que enfrentar um novo problema: o racionamento.

“Será feito um rodízio de seis em seis horas. O sistema está se recompondo. À medida que ele se recompor integralmente, isso vai ser reavaliado”, fala Marcos Pereira, presidente da companhia de eletricidade do Amapá.

O barbeiro Michel Freitas conseguiu trabalhar um pouco de manhã, mas no fim da tarde a luz foi embora novamente: “Tem que dar um jeito, se virar, porque a gente não pode também ficar sem dinheiro para comprar os mantimentos da casa”.

GLOBO NEWS


Energia elétrica no Amapá volta em algumas regiões após 5 dias de apagão


Da Redação | Publicada em 07/11/2020

A luz voltou em algumas regiões do Amapá neste sábado (7) após um avião da Força Aérea Brasileira consertar 1 dos 3 transformadores atingidos por incêndios na terça (3). A energia, no entanto, só atinge 70% da capacidade do estado, e muitos moradores ainda vão ficar sem luz enquanto os outros transformadores não são trocados.

TV RECORD


Amapá: restabelecimento total da energia só deve ocorrer em 10 dias


Da Redação | Publicada em 07/11/2020 21:00

Geradores abastecem parcialmente a capital, Macapá, e algumas cidades do interior. O ministro de Minas e Energia e o presidente do Senado foram vistoriar as obras na subestação que pegou fogo na terça feira. Mais de 750 mil pessoas foram prejudicadas.

PORTAL G1


Após cinco dias de apagão no Amapá, energia começa a voltar em bairros de Macapá e Santana

Ministério de Minas e Energia informou que teste deu certo e busca energizar 70% do Amapá neste sábado (7). Na terça (3), um incêndio na principal subestação do estado deixou quase 90% da população sem luz.

Fabiana Figueiredo | Publicada em 07/11/2020 09:11

O Amapá chegou ao 5º dia de apagão energético. Durante a madrugada e a manhã deste sábado (7), o fornecimento de energia foi retomado na maior parte dos bairros da capital e em algumas áreas de Santana, na Região Metropolitana de Macapá.

O Ministério de Minas e Energia informou que conseguiu conectar a rede do Amapá ao Sistema Interligado Nacional (SIN). Já a Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA) anunciou que vai ter rodízio de energia para atender os habitantes.

Quase 90% da população do Amapá – cerca de 765 mil pessoas – ficou sem energia elétrica na terça-feira (3). Um incêndio atingiu a principal subestação do estado, que alimenta 13 das 16 cidades amapaenses. Com a falta de eletricidade, houve problemas no fornecimento de água potável e ainda falhas nas telecomunicações, além de filas nos postos de combustíveis e prejuízos ao comércio.

Apesar do retorno do serviço na maior parte das regiões da capital, na Zona Oeste a energia ainda não havia voltado no início da manhã. No Conjunto Macapaba, na Zona Norte, chegou eletricidade, mas o fornecimento foi suspenso novamente. Também em Santana, os moradores afirmaram que estavam sem energia.

O Ministério de Minas e Energia (MME), que lidera os serviços de retomada da energia no estado, previa ter fornecimento para até 70% do estado nesta madrugada. Na sexta-feira (6), um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) chegou com equipamentos para ajudar nesse retorno.

Em nota na manhã deste sábado, o MME informou que concluiu os reparos em um dos transformadores da Subestação Macapá, o que permitiu o início gradativo do atendimento aos consumidores amapaenses. Ainda de acordo com o MME, até 9h30, 33% da carga típica para o horário estava sendo atendida.

A Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA), que acompanha o processo e faz a distribuição da energia no estado, decidiu fazer um rodízio de energia. Um cronograma de como isso acontecerá deve ser anunciado ainda neste sábado.

"A CEA estabeleceu uma listagem de circuitos elétricos que entrariam conforme essa energia fosse disponibilizada. [...] Lembramos que para a segurança do sistema não é igual fazer a ligação de um interruptor. São questões muito complexas. É necessário segurança para não causar instabilidade no sistema", declarou o diretor-presidente da CEA, Marcos Pereira.

Na sexta-feira, Domingos Andreatta, secretário adjunto de energia elétrica do Ministério de Minas e Energia (MME), informou que o transformador iniciou à noite o teste para energização. Se o processo desse certo, o órgão garantia energia para quase 70% do estado ainda neste sábado.

"A gente estava acompanhando todas a ações para que a gente conseguisse retornar com o transformador, que tá disponível na subestação para que ele possa ser energizado entre hoje e amanhã [...]. A expectativa é que a gente consiga atender, com a energização e [a hidrelétrica] Coaracy Nunes, em torno de 60% a 70% da carga", informou, no início da noite, em uma entrevista para a imprensa.

Andreatta não detalhou, no entanto, quais áreas inicialmente seriam energizadas no estado.

“A ideia é que, a partir do início do tratamento do óleo, de 6 a 8 horas teremos o resultado se a gente consegue energizar esse transformador, ou não. A máquina ainda estava aquecendo, e o óleo ainda não tinha começado a ser filtrado. Outra máquina de filtragem está chegando para que a gente possa acelerar o processo", detalhou.

Início do apagão

Na noite de terça-feira, enquanto ocorria uma tempestade em Macapá, uma explosão seguida de incêndio comprometeu os três transformadores de uma subestação da Zona Norte, segundo o MME. As causas do incêndio ainda são desconhecidas. Uma investigação foi aberta para apurar responsabilidade.

O fogo danificou um transformador e atingiu os outros dois — um deles já estava inoperante por causa de uma manutenção realizada desde dezembro de 2019. Segundo o MME, o transformador que estava em manutenção ainda poderia ser recuperado, enquanto os outros dois precisariam ser trocados.

A queda de energia afetou também o sistema hidráulico do estado. Houve falta de água encanada, água mineral e gelo. Sem energia, internet e serviços de telefonia também foram atingidos — a maioria parou de funcionar.

O Ministério de Minas e Energia criou um gabinete de crise e enviou uma comitiva ao Amapá. Na sexta, o governador Waldez Góes (PDT) assinou decreto que estabelece situação de emergência em todo o estado por 90 dias.

Quando a energia vai ser restabelecida?

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, disse na sexta-feira (6) que pretendia restabelecer toda a energia no estado do Amapá em até 10 dias.

Com apoio da FAB para transporte de equipamentos de fora do estado, o plano apresentado pelo governo federal prevê a retomada da energia em 3 etapas:

- Recuperação de um dos transformadores queimados, com purificação de óleo e que pode restabelecer cerca de 70% da energia do Amapá ainda na sexta-feira;

- Mobilizar a logística para Macapá de dois transformadores, de quase 100 toneladas cada, um do município de Laranjal do Jari, e outro de Boa Vista, capital de Roraima;

- Transporte de 4 geradores de energia, originais do Amazonas, para suprir eventuais necessidades de atividades essenciais durante a recuperação da eletricidade no estado.

Geradores do AM são enviados para atender hospitais no Amapá

Aviões da FAB também levam técnicos e outros equipamentos para auxiliar na logística. Apagão atingiu Amapá após incêndio em subestação de energia.

Por G1 Am | Publicada em 07/11/2020 14:46

Seis geradores serão enviados do Amazonas para o Amapá, neste sábado (7), para tentar diminuir os impactos causados por um apagão. Os equipamentos serão transportados de Manaus em uma aeronave da Força Aérea Brasileira (FAB) e devem ser usados na geração de energia para serviços essenciais, como hospitais e abastecimento de água.

Quase 90% da população do Amapá – cerca de 765 mil pessoas – está sem energia elétrica desde terça-feira (3), após um incêndio na mais importante subestação do estado, que fica na Zona Norte de Macapá e alimenta 13 das 16 cidades do estado.

A aeronave utilizada para o transporte é uma C-130. Segundo informações da FAB, a primeira viagem até Macapá levará uma carreta, um trator e também os cabos de instalação dos geradores. Esses veículos e ferramentas serão levados primeiro para colaborar com a logística para a locomoção dos geradores entre as cidades atingidas.

Todos os técnicos que vão participar da instalação dos geradores no Amapá também viajam no primeiro voo. Após o desembarque inicial, a aeronave retorna a Manaus para embarque dos dois primeiros geradores. Cada um deles pesa entre 3 e 5 toneladas, segundo a FAB.

A previsão é de que todos os equipamentos sejam transportados até o fim da tarde de domingo (8). Previsão é que, até a próxima semana, mais 20 geradores sejam enviados, de balsa, à cidade.

Apagão

Um incêndio em uma subestação de energia localizada na Zona Norte da capital Macapá provocou um apagão na noite de terça-feira (3). Treze dos 16 municípios do estado foram afetados.

Na quinta-feira, o governo estadual decretou situação de emergência. Por causa do apagão, 89% da população do estado ficou sem abastecimento de eletricidade.

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, afirmou que foi aberta um investigação para apurar as causas e consequências do incêndio. Ele disse que a energia no estado será restabelecida em 10 dias.

DEFESATV


Força Aérea Brasileira inicia Exercício Operacional Tínia

O exercício acontece nas ALAS 3 e 4 (Canoas e Santa Maria) de 5 a 27 de novembro

Anderson Gabino | Publicada em 07/11/2020 14:00

A Força Aérea Brasileira (FAB) deu início nesta quinta-feira (05), nas Alas 3 e 4, em Canoas e Santa Maria, no Rio Grande do Sul, a segunda edição do Exercício Operacional (EXOP) Tínia.

A Reunião de Apronto do treinamento foi aberta, em Canoas, pelo Comandante da Ala 3 e Diretor do Exercício, Brigadeiro do Ar Mauro Bellintani, que também conduziu uma videoconferência com os participantes sediados na Ala 4.

O EXOP, que acontece até o dia 27 de novembro, visa simular um ambiente de guerra aérea convencional, também chamada de guerra regular, ou seja, quando há um conflito entre forças armadas de dois países ou alianças de Nações, por meio de combates aéreos que simulam a disputa  de um território.

“O objetivo do exercício é manter a operacionalidade da Força e de seus Esquadrões Aéreos, assim como dos Controladores de Tráfego Aéreo, dos Grupos de Defesa Antiaérea e de Comunicações e Controle. E todo treinamento de grande porte se torna desafiador, pois nos exige competências diferenciadas no adestramento de todas as nossas capacidades. Além disso, neste ano diferente, todos devem colaborar para garantir não apenas o nível de atenção elevado em relação à segurança de voo, mas também a respeito da prevenção à COVID-19”, ressaltou o Brigadeiro Bellintani aos participantes.

Mais de 35 aeronaves e cerca de 400 militares do efetivo de Unidades da Força Aérea Brasileira (FAB) distribuídas por todo o País estão envolvidos no EXOP Tínia.

O Comando de Preparo (COMPREP) está à frente da atividade, que segue a proposta de adequar os treinamentos nacionais ao perfil comumente encontrado no cenário internacional.

Um dos benefícios do exercício é a capacidade de treinar a coordenação das manobras entre as duas localidades, Canoas e Santa Maria, podendo reunir mais de 20 aeronaves em uma mesma missão aérea composta.

Serão treinadas diversas ações como: Escolta, Reconhecimento Aéreo, Controle e Alarme em Voo, Ataque, Varredura, Reabastecimento em Voo, Posto de Comunicação no Ar, Defesa Aérea, Defesa Antiaérea e Transporte Aéreo Logístico.

Os voos serão realizados em espaço aéreo reservado, localizado ao Sul do estado, entre as duas cidades que sediam o Exercício.

Este treinamento é fundamental para garantir a continuidade da capacitação operacional dos militares da Instituição e a pronta-resposta para emprego em diversas missões que são executadas pela Força.

A manutenção da qualificação e capacitação operacional garantem que os militares estejam preparados para atuar em missões diversas.

Nos dias anteriores ao início do treinamento, ocorreu o deslocamento das aeronaves, militares e equipamentos dos esquadrões de fora do Estado, envolvendo um complexo trabalho de logística e transporte.

“A mobilização do EXOP demonstra a capacidade da Força Aérea em reunir meios pessoais e materiais de forma rápida e tempestiva”, destacou o Comandante da Ala 4, Coronel Aviador Wilson Paulo Corrêa Marques, que conduziu a Reunião de Apronto em Santa Maria.

Para garantir a segurança dos participantes e da população local, foi elaborado um plano de biossegurança com base nos protocolos estabelecidos pelas autoridades de saúde para o enfrentamento à COVID-19.

“O plano está sendo gerenciado pelo Hospital de Aeronáutica de Canoas e pelo Esquadrão de Saúde de Santa Maria. Todos os participantes de fora do estado realizaram o exame para COVID antes do deslocamento e, durante o Exercício, respeitarão os protocolos de higienização, monitoramento de temperatura, distanciamento e utilização de Equipamentos de Proteção Individual, entre outras medidas”, explica a Capitão Médica Tatiana Gama e Silva.

PORTAL METROPÓLES (DF)


Bolsonaro diz que luz voltará para atender “60% das necessidades” do Amapá

Já são quatro dias sem luz em 13 das 16 cidades do estado. Segundo o presidente, a água voltou e os hospitais estão com energia

Otávio Augusto | Publicada em 07/11/2020 09:00

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou que uma equipe faz manutenção em um transformador no Amapá para restabelecer o fornecimento de energia no estado. Desde terça-feira (3/11), 13 cidades, onde vivem 780 mil pessoas, sofrem com um blecaute.

A expectativa do presidente era de que 60% das necessidades de energia elétrica do Amapá seriam atendidas até a meia-noite dessa sexta-feira (6/11), o que não aconteceu.

Neste sábado (7/11), o fornecimento de energia foi retomado em bairros da Zona Sul, Norte e região central de Macapá, e ainda em outras áreas do município de Santana. No entanto, a Zona Oeste da capital ainda segue sem energia. No Conjunto Macapaba, na Zona Norte, o serviço voltou no início da manhã, mas foi suspenso novamente.

“No momento, nossa equipe está fazendo a filtragem do ar contaminado que refrigera o terceiro transformador. Aproximadamente 46 mil litros, que será concluído ainda hoje”, afirmou Bolsonaro, em vídeo divulgado nas redes sociais, por volta das 23h de sexta.

“[Com] o óleo estando em condições após o teste, o transformador será posto em funcionamento, que entrará em operação paulatinamente. Dessa forma, em torno de 60% da necessidade do estado deverão ser atendidas até as 24 horas de hoje [sexta-feira]”, disse.

Durante o dia, o ministro das Minas e Energia, Bento Albuquerque, havia dito que levaria 10 dias até que o serviço de distribuição de energia elétrica completamente restabelecido.

Segundo Bolsonaro, a água voltou e os hospitais estão com energia. “A gente espera que, no espaço de tempo o mais breve possível, toda essa questão energética seja restabelecida no nosso estado do Amapá”, afirmou.

Nessa sexta, um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) desembarcou no Macapá com equipamentos a serem usados na manutenção do único transformador que restou na principal subestação do estado atingida por um incêndio.

Colapso

Com o apagão, supermercados perderam carnes e outros alimentos que necessitam de refrigeração. Caixas eletrônicos estão desligados. No aeroporto, local onde geradores fazem o abastecimento, os equipamentos estão sem cédulas.

O apagão foi resultado do incêndio em uma subestação de energia na capital na noite de terça-feira (3/11). Segundo o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), as chamas provocaram um desligamento automático das linhas de transmissão no trecho Laranjal/Macapá, assim como das usinas hidrelétricas Coaracy Nunes e Ferreira Gomes.

A situação causou uma interrupção de 250 MW de carga, afetando o fornecimento de 13 dos 16 municípios. A situação não atinge apenas os municípios de Oiapoque, Laranjal do Jari e Vitória do Jari.

A situação é caótica de tal forma que o comércio não tem mais geradores de eletricidade para vender. Mesmo com a disponibilidade, Macapá e outras cidades não têm Diesel para alimentar o funcionamento do equipamentos.

Nas cidades afetadas pelo apagão, as pessoas estão “acampadas” na beira de rios pra tomar banho e se refrescar. Após quatro dias de colapso, o maior desespero é pela compra de gelo para conservar alimentos em casa.

As causas do incêndio estão sendo investigadas pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e pelo ONS.

Equipamentos para restabelecer energia no Amapá começam a chegar no estado

O estado está no quinto dia sem energia elétrica. Alguns municípios tiveram fornecimento retomado ao longo deste sábado

Mayara Oliveira E Hugo Barreto | Publicada em 07/11/2020 17:33

Enviada especial a Macapá (AP) – As primeiras aeronaves da Força Aérea Brasileira (FAB) começaram a chegar neste sábado (7/11) no estado do Amapá para auxiliar no reestabelecimento de energia elétrica nos municípios afetados pelo apagão.

O estado está em uma crise de abastecimento desde a última terça-feira (3/11), quando um incêndio atingiu uma subestação localizada na zona norte da capital, Macapá.

No total, 13 dos 16 municípios do estado foram atingidos pelo apagão. Cerca de 89% da população – de 765 mil pessoas – não tem eletricidade. No atual cenário, o governo estadual decretou situação de calamidade na quinta-feira (5/11).

De acordo com a FAB, os geradores vão chegar ainda na noite deste sábado ao estado. A expectativa é que eles auxiliem também os hospitais da cidade.

Retomada parcial e rodízio

Durante a madrugada e a manhã deste sábado, o fornecimento de energia foi retomado na maior parte dos bairros da capital e em algumas áreas de Santana, na Região Metropolitana de Macapá.

O Ministério de Minas e Energia informou que conseguiu conectar a rede do Amapá ao Sistema Interligado Nacional (SIN). Já a Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA) anunciou que vai ter rodízio de energia para atender os habitantes.

Na sexta (6/11), o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, informou que a energia no estado deve ser restabelecida em até 10 dias.

A previsão foi feita após uma reunião com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). “Em até 10 dias nós pretendemos restabelecer 100% da energia no Amapá”, disse.

De acordo com Albuquerque, a operação para restabelecer a energia no estado é “complexa”. A ideia inicial era que a energia fosse religada já nessa quinta, mas o plano não deu certo.

“O equipamento já foi reparado na sua parte física e agora está havendo a filtragem do óleo do equipamento. Para se ter noção do volume, são 45 mil litros de óleo e temos que ter certeza de que ele está em condições de operação”, explicou o ministro.

MINISTÉRIO DA DEFESA


Ministério da Defesa ativa Operação Amapá, e Forças Armadas apoiam o estado com navios, aeronaves e tropas


Ascom | Publicada em 07/11/2020 17:59

O Ministério da Defesa ativou a Operação Amapá para coordenar o emprego das Forças Armadas no apoio às ações decorrentes da falta de energia naquele estado. As Forças Armadas empregam três navios e um helicóptero da Marinha, duas aeronaves da Força Aérea e tropas do Exército e dos Fuzileiros Navais no Amapá.

Os navios Auxiliar Pará e Patrulha Guanabara, do Comando do 4º Distrito Naval, além do Navio Doca Multipropósito Bahia, da Esquadra Brasileira, apoiarão as ações que estão em andamento no Amapá. Eles foram carregados com gêneros alimentícios e medicamentos. Além disso, cerca de 40 Fuzileiros Navais foram para Macapá no intuito de amenizar os impactos da falta de energia elétrica que ainda permanece em alguns bairros da Capital. O Navio Auxiliar Pará suspendeu hoje, às 4h, para Santana, com previsão de atracação no domingo à noite, a fim de prestar apoio logístico aos militares e suas famílias das cidades de Santana e Macapá. O Navio Patrulha Guanabara suspendeu hoje, às 10h, com previsão de atracação, na Capitania dos Portos do Amapá, na segunda-feira de manhã. O Navio de Desembarque Multipropósito Bahia desatracou hoje de Fortaleza, previsão de atracação em Santana na segunda feira à tarde, a fim de prestar apoio humanitário/saúde à população do Estado, caso necessário. O helicóptero UH-15 Super Cougar já se encontra disponível no aeroporto de Macapá.

Já os militares do Exército Brasileiro fornecerão combustíveis aos hospitais municipais e estaduais da capital e do município de Santana. Distribuirão água, junto com a Defesa Civil. Instalarão geradores nos laboratórios e clínicas de tratamento de COVID, além de montarem alojamentos e apoiarem os órgãos de segurança pública e defesa civil do Amapá.

A Força Aérea, que já havia enviado um C-130 Hércules para Macapá, na última sexta-feira, também disponibilizou um KC-390, neste sábado (07). O primeiro avião pousou ontem em Manaus e chegará hoje à tarde em Macapá com uma carreta e um trator para transporte de geradores. Já a segunda aeronave levará para o Amapá geradores e baterias do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que serão utilizadas nas urnas para as eleições.

No momento, além da operação no Amapá, as Forças Armadas permanecem atuando diretamente no combate ao novo coronavírus (Operação Covid-19), no combate aos crimes ambientais e às queimadas na Amazônia (Operação Verde Brasil 2), no acolhimento e interiorização de refugiados da crise na Venezuela (Operação Acolhida), no apoio às eleições 2020 (logística e garantia da votação e apuração), em ações humanitárias e desenvolvimento social, além de inúmeras outras atividades, incluindo a proteção das fronteiras marítima, terrestre e aérea do País.

PORTAL SPUTNIK


FAB realiza exercício de reabastecimento em voo e eleva alcance de helicópteros no RJ (VÍDEO)

A Força Aérea Brasileira (FAB) finalizou, no dia 30 de outubro, no Rio de Janeiro, a última fase da Campanha de Ensaios de Reabastecimento em Voo (REVO), entre o helicóptero H-36 Caracal e o avião KC-130 Hércules.

Da Redação | Publicada em 07/11/2020 08:53

Os voos foram realizados em uma área restrita sob controle militar, no litoral do Rio de Janeiro (RJ), na qual o avião de reabastecimento KC-130 Hércules e as aeronaves H-36 Caracal conduziram os procedimentos de REVO.

Durante os ensaios, os helicópteros se aproximaram do avião KC-130, que transferiu o combustível aos helicópteros através das mangueiras de reabastecimento, tendo realizado mais de 160 conexões em voo.

A campanha tinha como objetivo completar a transferência de combustível aos helicópteros, reabastecimento aéreo simultâneo, além do treinamento e formação operacional dos pilotos dos esquadrões Falcão e Puma.

O reabastecimento aéreo de helicópteros amplia sua operacionalidade, bem como eleva a autonomia para realizar diversas missões.

"É a Aviação de Asas Rotativas contribuindo para a missão de defender e integrar os 22 milhões de quilômetros quadrados [...] sob responsabilidade da FAB", afirma o piloto de prova e coordenador geral da operação, coronel aviador José Ricardo Silva Scarpari.

Desta forma, o Brasil se tornou o primeiro país da América do Sul com capacidade de realizar reabastecimento em voo de helicópteros.

OUTRAS MÍDIAS


PORTAL D24AM - Aviões da FAB levam geradores para o Amapá

Estado está há mais de 60 horas sem energia elétrica

Da Redação | Publicada em 07/11/2020 08:48

A Força Aérea Brasileira (FAB) mandou para o Amapá aeronaves com toneladas de equipamentos necessários para reestabelecer a energia elétrica no estado. As aeronaves transportarão máquinas de purificação de óleo e geradores para Macapá (AP). A missão, que começou nesta sexta-feira (6), deve terminar no sábado (7). Um incêndio em um transformador, na noite de terça-feira (3), provocou o apagão em 14 cidades do estado. Apenas dois municípios não foram afetados.

O transformador avariado pertence à empresa concessionária Linhas de Macapá Transmissora de Energia (LMTE), controlada pela espanhola Isolux, e foi totalmente destruído. Como outros dois equipamentos também foram danificados, não houve possibilidade de reaproveitamento das peças para religamento da subestação.

Situação de emergência

O apagão levou o governo do estado a decretar situação de emergência. Pessoas estão perdendo alimentos em virtude da falta de refrigeração e gêneros básicos começam a faltar nos mercados. Uma das poucas panificadoras da capital que ainda funcionam concentra longas filas na entrada. O estabelecimento decidiu limitar a quantidade de pães por cliente.

Além disso, as pessoas têm dificuldade de fazer compras de forma eletrônica por falta de internet estável e energia para carregar as máquinas de cartão. Os consumidores precisam sacar dinheiro para fazer compras, mas o apagão também não permite saques em caixas rápidos. Os principais hospitais do estado estão operando a base de geradores a óleo diesel.

Retorno da energia em breve

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, afirmou ontem (5) que o restabelecimento das condições normais de abastecimento energético no estado deve levar 30 dias. Ele esteve com o governador do estado, Waldez Góes, para tratar da crise de energia.

Segundo afirmou o ministro na quinta-feira, havia expectativa de que fossem restabelecidos de 60% a 70% do abastecimento de energia elétrica no Amapá no mesmo dia. Além do conserto dos geradores danificados, o governo tem providenciado o envio de geradores.

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) está em Macapá desde o início da crise e tem enviado vídeos com relatos do que tem acontecido. “Depois de quase 65 horas sem energia, temos notícias do reestabelecimento em alguns bairros da cidade. Ao que tudo indica, pelos próximos 10 a 15 dias, por termos apenas um transformador na subestação funcionando, energia em sistema de racionamento”, afirmou o senador, na tarde de hoje. Ele tem atuado junto ao Poder Judiciário para tentar garantir a distribuição de cestas básicas e água à população, dentre outras medidas.

SITE FAROL DA BAHIA - FAB chega com equipamentos para reestabelecer energia no Amapá

Previsão é que 70% da energia volte a ser distribuída em menos de 24 horas

Da Redação | Publicada em 07/11/2020

Na sexta-feira (6), uma aeronave da FAB (Força Aérea Brasileira) desembarcou no aeroporto de Macapá, com equipamentos a serem usados na manutenção do único transformador que restou na principal subestação do estado do Amapá que foi atingida por um incêndio na terça-feira (3). A ajuda busca retomar o fornecimento de energia para 70% do estado ainda neste sábado (7).

Quase 90% da população do estado (cerca de 765 mil pessoas) está sem energia elétrica; a subestação alimenta 13 das 16 cidades do estado. Com a falta de eletricidade, há problemas no fornecimento de água potável e ainda falhas nas telecomunicações, além de filas nos postos de combustíveis e prejuízos ao comércio.

De acordo com Domingos Andreatta, secretário adjunto de energia elétrica do Ministério de Minas e Energias, o transformador já iniciou o teste para energização. Se o processo for um sucesso, ele acrescenta, quase 70% da energia deve ser recuperada ainda hoje. Andreatta não detalhou, no entanto, quais áreas inicialmente serão energizadas no estado.

“A ideia é que, a partir do início do tratamento do óleo, de 6 a 8 horas teremos o resultado se a gente consegue energizar esse transformador, ou não. A máquina ainda estava aquecendo e o óleo ainda não tinha começado a ser filtrado. Outra máquina de filtragem está chegando para que a gente possa acelerar o processo", detalhou durante uma entrevista coletiva.

PORTAL F11 - Aviões da FAB levam geradores para o Amapá

Estado está há mais de 60 horas sem energia elétrica.

Da Redação | Publicada em 07/11/2020 19:55

A Força Aérea Brasileira (FAB) mandou para o Amapá aeronaves com toneladas de equipamentos necessários para reestabelecer a energia elétrica no estado. As aeronaves transportarão máquinas de purificação de óleo e geradores para Macapá (AP). A missão, que começou nesta sexta-feira (6), deve terminar no sábado (7). Um incêndio em um transformador, na noite de terça-feira (3), provocou o apagão em 14 cidades do estado. Apenas dois municípios não foram afetados.

O transformador avariado pertence à empresa concessionária Linhas de Macapá Transmissora de Energia (LMTE), controlada pela espanhola Isolux, e foi totalmente destruído. Como outros dois equipamentos também foram danificados, não houve possibilidade de reaproveitamento das peças para religamento da subestação.

Situação de emergência

O apagão levou o governo do estado a decretar situação de emergência. Pessoas estão perdendo alimentos em virtude da falta de refrigeração e gêneros básicos começam a faltar nos mercados. Uma das poucas panificadoras da capital que ainda funcionam concentra longas filas na entrada. O estabelecimento decidiu limitar a quantidade de pães por cliente.

Além disso, as pessoas têm dificuldade de fazer compras de forma eletrônica por falta de internet estável e energia para carregar as máquinas de cartão. Os consumidores precisam sacar dinheiro para fazer compras, mas o apagão também não permite saques em caixas rápidos. Os principais hospitais do estado estão operando a base de geradores a óleo diesel.

Retorno da energia em breve

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, afirmou ontem (5) que o restabelecimento das condições normais de abastecimento energético no estado deve levar 30 dias. Ele esteve com o governador do estado, Waldez Góes, para tratar da crise de energia.

Segundo afirmou o ministro na quinta-feira, havia expectativa de que fossem restabelecidos de 60% a 70% do abastecimento de energia elétrica no Amapá no mesmo dia. Além do conserto dos geradores danificados, o governo tem providenciado o envio de geradores.


O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) está em Macapá desde o início da crise e tem enviado vídeos com relatos do que tem acontecido. “Depois de quase 65 horas sem energia, temos notícias do restabelecimento em alguns bairros da cidade. Ao que tudo indica, pelos próximos 10 a 15 dias, por termos apenas um transformador na subestação funcionando, energia em sistema de racionamento”, afirmou o senador, na tarde de hoje. Ele tem atuado junto ao Poder Judiciário para tentar garantir a distribuição de cestas básicas e água à população, dentre outras medidas.