NOTIMP - NOTICIÁRIO DA IMPRENSA

Capa Notimp Acompanhe aqui o Noticiário relativo ao Comando da Aeronáutica veiculado nos principais órgãos de comunicação do Brasil e até do mundo. O NOTIMP apresenta matérias de interesse do Comando da Aeronáutica, extraídas diretamente dos principais jornais e revistas publicados no país.


JORNAL A CRÍTICA (AM)


Instalação de radar para controle de tráfego aéreo em Porto Murtinho entra em sua reta final

O funcionamento da estação irá monitorar as aeronaves voando em baixas altitudes na região da fronteira

Da Redação | Publicada em 19/11/2020

Está em fase de conclusão a estação radar para o controle de tráfego aéreo em Porto Murtinho, a 362 km de Campo Grande. O equipamento vai ampliar a vigilância aérea brasileira e o combate ao tráfego aéreo ilícito, com foco no Centro-Oeste brasileiro. O funcionamento da estação irá monitorar as aeronaves voando em baixas altitudes na região de fronteira e ampliar a capacidade de identificação de vôos não autorizados, colaborando para ações de policiamento do espaço aéreo e de combate ao narcotráfico. 

Mesmo com a conclusão da estação em breve, ainda não há previsão de inauguração que deve contar com a presença do presidente Jair Bolsonaro.

“Estamos aumentando a capacidade de vigilância do espaço aéreo no território nacional, reforçando as ações para manutenção da soberania e segurança de nossas fronteiras”, afirma o presidente da Comissão de Implantação do Sistema de Controle do Espaço Aéreo (CISCEA), Brigadeiro do Ar, Sérgio Rodrigues Pereira Bastos Junior.

Com os equipamentos é possível, detectar aeronaves em altas velocidades com grande capacidade de manobras, como os aviões de caças, e obter informações com elevado grau de assertividade permitindo melhores ações de interceptação pelos caças da FAB.

Fabricação - Produzido pela empresa Omnisys, os equipamentos fazem parte de uma nova geração de radares primários de longo alcance, com capacidade para detectar aeronaves cooperativas e não-cooperativas. São equipados com a capacidade de altimetria, permitindo a identificação dos alvos com precisão, além de funções de proteção eletrônica que os resguardam contra interferências eletromagnéticas, sejam elas intencionais ou não. A produção faz parte de um contrato assinado por meio da Comissão de Implantação do Sistema de Controle do Espaço Aéreo (CISCEA), no final de 2018, um contrato para o fornecimento de três radares em Mato Grosso do Sul: Corumbá (que recebeu em agosto), Porto Murtinho e Ponta Porã.

Os radares são fabricados no Brasil pela empresa Omnisys, em São Bernardo do Campo (SP), o que permite rápido acesso a toda cadeia produtiva, agilizando os procedimentos de assistência técnica por parte do fabricante. O projeto prevê, ainda, a absorção do conhecimento técnico pelo Comando da Aeronáutica (COMAER), visando à realização das atividades de manutenção preventiva e corretiva, minimizando os custos de logística e mantendo um alto nível de disponibilidade dos equipamentos.

“A inauguração dessa estação radar de vigilância é mais um importante marco para o Brasil e estamos honrados em fazer parte, fornecendo o estado da arte em tecnologia, desenvolvida em território nacional, e soluções para o controle de tráfego aéreo que contribuirão ainda mais com a soberania do País”, afirma o CEO da Omnisys, Luiz Henriques.

Em agosto, Corumbá recebeu uma nova estação radar da Força Aérea Brasileira (FAB) para reforçar a segurança do espaço aéreo na fronteira do Brasil com o Paraguai e a Bolívia. A inauguração contou  com a presença de Bolsonaro. “Ajudará e muito nossa Polícia Federal e a nossa Polícia Rodoviária Federal no combate aos ilícitos em especial o tráfico de drogas e de armamentos. Vale a pena lembrar, não por coincidência, de maio para cá vem batendo recordes de apreensão de drogas e armamentos pelo Brasil. O que estamos inaugurando aqui vai colaborar e muito nesse combate”, declarou Bolsonaro na ocasião.

PORTAL AEROFLAP


Com Vídeo: Conheça a trajetória do piloto da FAB que pilotou o primeiro Gripen F-39 brasileiro


André Magalhães | Publicada em 19/11/2020

A SAAB postou o quarto episódio da série: “Treinamento para pilotar o Gripen”, no vídeo conhecemos mais a trajetória do piloto de ensaios da FAB, o Tenente-Coronel Cristiano de Oliveira Peres.

O Tenente-Coronel Cristiano foi o primeiro piloto da FAB a voar o “FAB 4100”, o primeiro Gripen F-39 brasileiro. O voo aconteceu na Suécia ainda durante a campanha de testes feitas por lá.

Cristiano ainda fala sobre os diferenciais do Gripen E frente ao Gripen D que é utilizado pela força aérea sueca, tcheca, húngara, tailandesa e sul-africana.

O Gripen F-39E FAB 4100 está no Brasil desde setembro e está sediado no Centro de Ensaios em Voo do Gripen, localizado na planta da Embraer, em Gavião Peixoto (SP). 

Neste centro serão conduzidos os testes que foram iniciados na Suécia. Estes testes vão garantir a certificação do mesmo, além do aprendizado e investimento no futuro caça da FAB.

 O caça foi apresentado oficialmente no dia 23 de outubro Dia do Aviador e da Força Aérea Brasileira, na ALA-1 em Brasília-DF.

PORTAL DEFESANET


Forças Armadas cooperam para a redução dos impactos do apagão no Amapá


Da Redação | Publicada em 19/11/2020 10:15

As Forças Armadas estão empenhadas em reduzir os impactos causados pela interrupção de energia elétrica no estado do Amapá. No momento, 39 militares da área da saúde prestam atendimento médico aos amapaenses. As ações ocorrem no âmbito da Operação Amapá, sob coordenação do Ministério da Defesa.

O apoio hospitalar feito por médicos, enfermeiros, cirurgiões dentistas, farmacêuticos e nutricionistas teve início em 11 de novembro e prossegue até o sábado (21), de 8h às 18h. Especialistas em radiologia, patologia clínica e tecnólogos de enfermagem reforçam o atendimento.

A população é atendida no Centro de Triagem anexo ao Hospital de Emergência do município de Santana. Até o momento, a equipe de saúde da Marinha, do Exército e da Aeronáutica efetuaram mais de 470 procedimentos de enfermagem e mais de 740 serviços em clínica médica e pediátrica.

As instalações médicas dos Navios Auxiliar Pará e Doca Multipropósito “Bahia” foram disponibilizadas para apoio à população. São ao todo 49 leitos, dois centros cirúrgicos, um laboratório de análises clínicas e um consultório odontológico.

Os militares estão atentos quanto à prevenção e o combate ao novo coronavírus com a descontaminação tanto das instalações da unidade de saúde quanto das embarcações. A atividade é executada pela Equipe de Defesa Nuclear, Biológica, Química e Radiológica do 2º Batalhão de Operações Ribeirinhas.

Na terça-feira (17), o Comando Conjunto Norte, formado pelo Comando Militar do Norte, pelo 4º Distrito Naval e pela Ala 9, contribuiu para a normalização do sistema elétrico. Foram convocados 50 militares do Comando Fronteira Amapá/34º Batalhão de Infantaria de Selva para auxiliar no restabelecimento de energia nos centros médicos. Os geradores das instituições de saúde da capital, Macapá e do município de Santana foram reabastecidos.

Em 13 de novembro, a aeronave C-130 Hércules da Aeronáutica transportou dois geradores adicionais de Manaus (AM) para Macapá. A 22ª Brigada de Infantaria de Selva ajudou no desembarque e deslocamento para a Estação Elevatória de Água Tratada (EEAT) da capital amapaense.

Os equipamentos permanecem auxiliando no restabelecimento de água da estação. Isso permitiu a normalização do sistema de abastecimento de água da Companhia de Água e Esgoto do Amapá (CAESA). Cerca de 1,5 megawatts, antes direcionados para a EEAT, foram liberados para distribuição aos municípios.

Suprimentos

As Forças Armadas atuam ainda na distribuição de água e mantimentos. Os navios da Marinha foram usados no transporte de alimentos, água potável e combustível. O Comando Fronteira Amapá/34º Batalhão de Infantaria de Selva foi encarregado pela distribuição dos suprimentos para à Secretaria de Ação Social do município de Tartarugalzinho; para o Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) de Itaubal e de Santana e para a Secretaria Municipal de Assistência Social e Cidadania (SEMASC) de Santana.

A Força Aérea Brasileira transportou 83 toneladas de carga e equipamentos, entre purificadores, geradores de energia, alimentos e água potável.

DEFESATV


Exercício Operacional Tínia da Força Aérea Brasileira realiza treinamento de diversas atividades além do combate aéreo

Controle de Tráfego Aéreo, Defesa Antiaérea, Comunicações e Controle e Manutenção Integrada são algumas das atividades treinadas nas Alas 3 e 4

Da Redação | Publicada em 19/11/2020 10:53

A segunda edição do Exercício Operacional Tínia, realizado até o dia 27 de novembro nas Alas 3 e 4 – Canoas e Santa Maria (RS) respectivamente, tem como objetivo manter a operacionalidade dos Esquadrões Aéreos, dos Controladores de Tráfego Aéreo, dos Grupos de Defesa Antiaérea e de Comunicações e Controle.

Além disso, o Exercício treina a capacidade de desdobramento da Força e de manutenção com a atuação em conjunto dos Grupos Logísticos.

O responsável pela Manutenção Integrada do Grupo Logístico (GLOG) da Ala 3, Major Especialista em Aviões Roberto Guilherme dos Santos Alves, explica que o trabalho para o EXOP começa bem antes do início das operações nas sedes do treinamento e inclui o planejamento de recursos humanos e materiais que serão mobilizados e deslocados para a manutenção das aeronaves envolvidas.

“A manutenção integrada nos traz um importante ganho em eficiência sem perder a qualidade técnica e a segurança nas ações de manutenção realizadas nos projetos apoiados”, diz.

O tráfego aéreo durante o treinamento é controlado a partir do 2° Esquadrão do 1º Grupo de Comunicações e Controle (2º/1º GCC), em Canoas, e pelo Centro de Operações Militares (COPM-2) em Curitiba, com a participação de controladores de todo o Brasil.

Os aviões radar E-99 também podem realizar o controle de tráfego durante as missões dos caças. O Comandante do 2º/1º GCC, Major Aviador Rodrigo de Sousa da Costa conta que, durante o EXOP, os militares em Canoas e Curitiba tem funções bem definidas.

“Aqui controlamos o lado defensivo das missões, enquanto o lado que desempenha a função ofensiva é controlado a partir do COPM-2”, explica. Para realizar o controle de tráfego nesse tipo de missão, os militares precisam ter um treinamento específico.

Outro aspecto do Exercício é o acompanhamento em tempo real dos combates aéreos, o chamado showtime, em que militares avaliam cada ação dos pilotos em voo e definem o andamento das missões.

O reabastecimento em voo também é treinado durante o exercício. O KC-130 Hércules do Esquadrão Gordo realiza missões como reabastecedor das aeronaves de F5 e A1. Na Tínia, os caças treinam, ainda, missões aéreas compostas, quando várias aeronaves decolam simultaneamente para simular o combate aéreo.

Defesa Antiaérea

A 1ª Brigada de Defesa Antiaérea (1ª BDAAE), por meio dos Grupos Laçador (1º GDAAE), Ajuricaba (2º GDAAE) e Defensor (3º GDAAE), participa do Exercício Operacional Tínia. Os Grupos estão desdobrados no terreno, além do Centro de Operações Antiaéreas, Equipe de Ligação Antiaérea, Unidades de Tiro e Postos de Vigilância, os quais são empregados em períodos diurnos e noturnos, contra ataques aéreos simulados, realizados pelas aeronaves A-1 e A-29.

Atuando de forma integrada, os Grupos de Defesa Antiaérea da FAB envolvem 54 militares para realizarem o treinamento da Defesa Antiaérea do Centro Diretor Aéreo do Teatro (CDAT), sediado nas instalações do Quarto Esquadrão do Primeiro Grupo de Comunicações e Controle (4º/1º GCC), na Ala 4, em Santa Maria (RS).